Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.unir.br/jspui/handle/123456789/1562
Title: "E continuamos a ser escravos na nossa própria terra" - A reprodução subordinada dos quilombolas do rio trombetas ao capital-trabalho e as transformações no território
Authors: Corrêa, Silvia da Silva
Keywords: Quilombolas
Mineração
Território
Trabalho
Issue Date: 2016
Abstract: Analisar as formas de inserção de grupos tradicionais quilombolas do interior da Amazônia paraense, no mundo do trabalho para o capital e as transformações no território, é o centro de nossa investigação geográfica. A área que correspondeu a pesquisa compreende o Rio Trombetas, no Município de Oriximiná (PA), que abriga em seu território 35 comunidades remanescentes de quilombos, sendo escolhida como recorte espacial a Comunidade Quilombola Boa Vista, que vem ao longo dos anos passando por um metabolismo social e transformações em seu território, engendrados pela territorialização do capital mineral a partir da década de 1970. Partindo-se da discussão acerca do conceito de território e trabalho, buscou-se analisar as determinações do mundo do trabalho para o capital, e os processos regulatórios que subordinam a força de trabalho de grupos tradicionais ao seu processo de (re)produção. A pesquisa ocorreu a partir de levantamento bibliográfico, documental e do trabalho de campo, realizado dentro de uma abordagem qualitativa, fundamentada no método materialismo histórico dialético. Buscando, assim, compreender a lógica contraditória que envolve a relação capital-trabalho, evidenciada pela superexploração e subordinação do território e da força de trabalho. Dessa forma, a pesquisa permitiu constatar que, amparados no discurso do emprego, “desenvolvimento” e nas fragilidades empregatícias da região, o capital mineral tem promovido profundas transformações na base territorial e nas relações de trabalho dos quilombolas, já que este ao se territorializar em terras tradicionalmente ocupadas, promove a separação dos quilombolas dos seus meios de produção e viabiliza relações de trabalho cada vez mais precárias e degradantes, no sentido de aumentar o controle social do território e legitimar suas ações de dominação. Em contrapartida, força os trabalhadores quilombolas a buscar meios de resistir e lutar para superar a trama de relações que envolve o julgo do capital-trabalho, sendo este o grande dilema dos quilombolas e da classe trabalhadora.
Description: Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Rondônia, como requisito para obtenção do título de Mestre em Geografia. Orientador: Prof. Dr. Ricardo Gilson da Costa Silva
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/1562
Appears in Collections:PPGG/PVH - Mestrado em Geografia (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Final impressão (1).pdf4,79 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.