Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2011
Título: O seringal no município de Lábrea: o espaço vivido e a resistência de um tempo
Autores: Silva, Antônio Carlos Galvão da
Palavras-chave: Borracha/Amazônia
Cultura/Ribeirinha
Extrativismo/Lábrea
Seringueiro/Rio Ituxi
Data de publicação: 2008
Resumo: Este estudo é fruto de pesquisas desenvolvidas, no período de 2006 a 2008, com ribeirinhos moradores de comunidades localizadas no rio Ituxi, afluente da margem direita do rio Purus, no município de Lábrea, sul do Estado do Amazonas, bem como com alguns ex-seringueiros que migraram para a sede deste município. Teve por objetivo Analisar o processo histórico do seringal no município de Lábrea, bem como o trabalho e o viver dos ribeirinhos com o meio onde vivem de modo a possibilitar conhecer a constituição do seringal no contexto atual. Nesta perspectiva, Levantamentos históricos, darão a compreensão do processo de ocupação dos seringais, não só na região puruense mas, no território amazônico de modo geral, bem como a organização espacial destes, e as políticas públicas adotadas para a região na busca da exploração do látex. Esse processo de exploração extrativista, legitimada pelo poder capitalista, levou milhares de pessoas a viverem uma vida insalubre nas densas matas amazônicas, onde, desde muito cedo meninas e meninos foram obrigados a despirem-se da inocência de criança e pôr sobre si a responsabilidade da árdua tarefa do corte da seringa, passando, assim, à condição de extratores. Essa corrida gumífera, transformou sobremaneira a região, tanto nos seringais como nas cidades. Hoje, a configuração geográfica nesses locais de seringal se dá de maneira bastante distinta da existente nos períodos áureos da corrida pela obtenção do produto da borracha. O sistema de barracão já não existe mais. As famílias, que tinham por características ou necessidade construírem seus tapiris em locas mais longínquos e isolados, hoje, formam comunidades. A pratica da exploração do extrativismo de outrora, norteado praticamente pela produção da borracha, se diversificou, sendo conciliado aos mais variados produtos explorados na mata, como por exemplo, dentre outros, destaca-se a coleta da castanha, a extração do óleo de copaíba, de andiroba, do leite da sorva, da madeira, além da atividade pesqueira e do roçado. Entrementes, mesmo diante de um cenário mais favorável, no que tange ao modo de vida nos seringais, existem fatores que obrigam muitos ribeirinhos a partirem rumo à cidade em busca de melhores garantias de vida.
Descrição: Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação Mestrado em Geografia – PPGG, Núcleo de Ciência e Tecnologia, da Fundação Universidade Federal de Rondônia – UNIR, para obtenção do título de mestre em Geografia.
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2011
Aparece nas coleções:PPGG/PVH - Mestrado em Geografia (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
3222_antonio_carlos_galvao.pdf10,38 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.