Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2203
Título: Análise do método ogawa-kudoh e comparação com o método lowenstein-jensen para diagnóstico da tuberculose no estado de Rondônia
Autores: Oliveira, Maria Do Socorro Calixto de
Moura, Maria Manuela da F.
Lima, Cleoni Alves Mendes de
Palavras-chave: Tuberculose
Método Lowenstein-Jensen
Microbiologia
Método Ogawa-Kudoh
Rondônia
Data de publicação: 2008
Citação: OLIVEIRA, Maria Do Socorro Calixto de. Análise do método ogawa-kudoh e comparação com o método lowenstein-jensen para diagnóstico da tuberculose no estado de Rondônia. 2008. 61 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental, Fundação Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2008.
Resumo: A tuberculose é uma doença infecciosa crônica que acompanha a humanidade desde os primórdios da História. Hoje, ela se apresenta como um dos problemas que mais preocupa as autoridades sanitárias de todo o mundo, devido à sua crescente incidência em diferentes grupos populacionais. Entre os países com maior número de casos de tuberculose, o Brasil ocupa o 15º lugar entre os 22 países responsáveis por 80% do total de casos de tuberculose no mundo. A incidência nacional de casos é de 50/100.000 habitantes. Em Rondônia, em 2006 foram registrados 454 casos novos de tuberculose com incidência de 46/100.000. O Programa Nacional de Controle da Tuberculose prioriza a cultura para os casos de baciloscopia negativa com suspeita clínica, tuberculose extrapulmonares e HIV positivos. Este estudo comparou o método de descontaminação e cultura Ogawa-Kudoh com o método de descontaminação Lauril Sulfato de Sódio com semeadura em Lowentein Jensen. Foram analisadas 80 amostras de culturas, para diagnóstico e controle de tratamento de pacientes. Verificou-se que nas 25 amostras com culturas positivas, 23 (92%) cresceram pelo método Ogawa-Kudoh e 10 (40%) cresceram pelo método Lauril Sulfato de Sódio com semeadura em Lowenstein Jensen. Observou-se um alto índice de contaminação 11,2% na técnica Lauril Sulfato de SódioLowenstein Jensen, já na técnica Ogawa-Kudoh o índice foi de 5%. Comparando a baciloscopia com a cultura nos dois métodos, das 19 amostras com baciloscopias positivas, 16 (84,21%) culturas foram positivas no meio Ogawa-Kudoh e 6 (31,57%) positivas no Lauril Sulfato de Sódio-Lowenstein Jensen; 2 (10,53%) culturas foram negativas no meio OgawaKudoh e 5 ( 26,31%) negativas para o método Lauril Sulfato de Sódio-Lowenstein Jensen. Nas amostras paucibacilares, o método Ogawa-Kudoh apresentou maior sensibilidade, 7 (11,47%) enquanto no Lauril Sulfato de Sódio-Lowenstein Jensen 4 (6,56%). O sexo masculino prevaleceu com 67,53%, quanto à faixa etária predominaram os indivíduos a partir dos 40 anos com 66,65% dos casos. Os resultados obtidos neste experimento reforçam que o método simplificado Ogawa-Kudoh pode substituir o método Lauril Sulfato de SódioLowenstein Jensen sem prejuízos para a busca de casos no Programa Nacional de Controle da Tuberculose em nosso Estado, principalmente em laboratórios com baixos recursos financeiros e tecnológicos.
Descrição: Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação – Mestrado em Biologia Experimental do Núcleo de Saúde da Universidade Federal de Rondônia/UNIR, como requisito para obtenção do Grau de Mestre em Biologia Experimental.
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2203
Aparece nas coleções:PGBIOEXP/PVH - Mestrado em Biologia Experimental (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Análise do método ogawa-kudoh (Maria Oliveira & Maria Manuela Moura) (1).pdfMaria Oliveira2,38 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.