Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2454
Título: Espaço e territorialidade pesqueira: análise socioeconômica da atividade pesqueira artesanal no estado de Rondônia.
Autores: Cruz, Sávio de Sá Leitão
Palavras-chave: Pesca artesanal
Território
Rondônia
Políticas Públicas
Data de publicação: 2018
Citação: CRUZ, Sávio de Sá Leitão. Espaço e territorialidade pesqueira: análise socioeconômica da atividade pesqueira artesanal no estado de Rondônia. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Rondônia, 2018.
Descrição: Esta pesquisa tem por objetivo realizar a análise socioeconômica da atividade pesqueira artesanal do Estado de Rondônia, tendo como alicerce a produção do espaço e a territorialização promovida pelo trabalho dos pescadores artesanais. O espaço é palco de tensões, resistência e lutas, é onde as práticas e as relações socioculturais são construídas, vivenciadas e fortalecidas. A pesca artesanal é uma das mais antigas, tradicionais e importantes atividades econômicas, sociais e culturais. Apesar da relevância, os estudos sobre o tema ainda são escassos e a insuficiência de informações acarretam prejuízos – criando obstáculos para o desenvolvimento sustentável da atividade. Tal fato explica, em parte, a ausência de políticas públicas efetivas voltadas ao setor pesqueiro e a privação da participação das populações pesqueiras ribeirinhas – excluídas – dos processos de definição e de formulação das diretrizes dessas políticas. Desde a antiguidade, os recursos hídricos representam fator estratégico para a humanidade e a pesca está inserida nesse contexto. Na Amazônia, a rede hidrográfica constitui papel determinante na ocupação, fixação e desenvolvimento da região. A pesca artesanal faz parte do modo de vida e serve como base para os pilares construtores da autoafirmação identitária e das relações sociais e culturais das populações tradicionais amazônicas. Os pescadores artesanais são agentes sociais de transformação, sendo os protagonistas responsáveis pela construção do território pesqueiro através da produção do espaço. A criação, utilização, apropriação, reorganização do território e o desenvolvimento das comunidades ribeirinhas estão atrelados ao desenvolvimento das atividades pesqueiras. Nesse aspecto, a realização da atividade pesqueira artesanal é necessária para a sobrevivência, para a reprodução e o para o desenvolvimento dessas comunidades, sendo responsável pela existência e pela manutenção do território pesqueiro. Porém, nos últimos anos, as populações tradicionais da Amazônia vêm enfrentando graves problemas resultantes da fragmentação das coerências territoriais endógenas, impostos pelas lógicas das redes (exógenas/globais) das grandes corporações/firmas/empresas aos lugares. Em Rondônia, as obras do PAC, como a construção das Usinas Hidroelétricas - UHE de Santo Antônio e UHE Jirau (Complexo do Rio Madeira), a expansão do agronegócio e, a vinda de grandes projetos e empreendimentos do setor privado, tem causado sérias contradições, tensões, conflitos e a (des)territorialização das populações tradicionais locais. Assim, a utilização da Ciência Geográfica permite uma abordagem objetiva e dinâmica sobre este tema, tendo como categoria de análise, o território. A região Amazônica possui laços históricos e profundos com a atividade pesqueira, que é responsável por uma significativa parcela de geração de empregos (trabalho) e renda nas cidades. Além disso, a pesca continua sendo uma importante fonte de proteína de origem animal (contribuindo com a soberania alimentar e nutricional) para toda a população ribeirinha, que tem na sua extração, a principal fonte de alimento e sustento familiar. Rondônia possui uma área de 238.512,8 km² correspondendo a 6,19% da região Norte do país. O Estado apresenta o 3ª maior PIB da Região Norte e a sua rede hidrográfica é composta por 7 (sete) Bacias, destacando-se a do Madeira, Guaporé e Mamoré. Entender o modo de vida das populações pesqueiras, considerando a produção, ocupação, utilização e a interação com o espaço geográfico, é necessário, frente ao inevitável processo de reorganização econômica, social, ambiental e cultural que está em curso.
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2454
Aparece nas coleções:PPGG/PVH - Mestrado em Geografia (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO SÁVIO - VERSÃO FINAL.pdf4,08 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.