Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2676
Título: Efeito da saliva de amblyomma cajennense sensu stricto (acari: ixodidae) sobre atividade locomotora de mosquitos aedes aegypti (diptera: culicidae)
Autores: Cerri, Fabiano
Palavras-chave: Controle de vetores.
Diazepam.
Hemócitos.
Microinjeção.
Saliva de carrapato.
Data de publicação: 2019
Citação: CERRI, G. Efeito da saliva de amblyomma cajennense sensu stricto (acari: ixodidae) sobre atividade locomotora de mosquitos aedes aegypti (diptera: culicidae) . 71 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Experimental) - Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental (PGBIOEXP), Porto Velho, 2019.
Resumo: Arboviroses são doenças epidêmicas, transmitidas principalmente pelo mosquito fêmea da espécie Aedes aegypti e são importantes problemas em saúde no Brasil. O controle da transmissão de muitas arboviroses baseia-se especialmente no controle do vetor, através de métodos de controle físico, químico e biológico. O controle químico, um dos principais métodos empregados, tem se tornado menos eficazes com o passar dos anos devido ao desenvolvimento de resistência dos mosquitos aos inseticidas. Tal fato reforça a urgente necessidade do estabelecimento métodos complementares para o controle da transmissão das arboviroses. A capacidade dos mosquitos de transmitir doenças depende de sua capacidade de se locomover, sendo este comportamento prejudicado pela ativação excessiva do seu sistema imune. Evidências indicam que a saliva de carrapatos da espécie Amblyomma cajennense sensu stricto (s.s.) e o diazepam, um fármaco benzodiazepínico, podem reduzir a locomoção em diversas espécies. Sendo assim, o presente estudo avaliou a capacidade dessas substâncias de reduzirem na atividade locomotora e alterarem a quantidade de hemócitos em Ae. aegypti fêmeas. A saliva total foi obtida de carrapatos fêmeas semi-ingurgitadas e depois estocadas em freezer -80 °C até o momento do uso. No estudo, todos os tratamentos foram realizados por microinjeção intratorácica direta no volume final de 0,2 μl. Para determinar a dose das substâncias no estudo realizou-se inicialmente o teste de sobrevivência seguido de determinação da DL50. A análise da atividade locomotora dos mosquitos foi realizada empregando um sistema de monitoramento automatizado por vídeo e a quantificação de hemócitos através de leitura de lâminas em microscopia de luz. Os resultados mostram que a saliva total de A. cajennense apresentou concentração proteica de 1,27 μg/μL e seu perfil eletroforético mostrou presença de proteínas com peso molecular de ~17-26, ~55-72, ~72-95, 95-130 e >170 kDa. A microinjeção de saliva total de A. cajennense s.s. não alterou significativamente o percentual de mosquitos sobreviventes após 7 dias de acompanhamento quando comparado ao grupo controle. Já microinjeção de diazepam reduziu significativamente o percentual de sobreviventes com doses acima de 20 ng/ 0,2 μl após 7 dias de tratamento quando comparado com o controle, sendo estabelecido sua DL50 de 27 ng/ 0,2 μl. Posteriormente, verificou-se que a microinjeção de saliva total de A. cajennense s.s., mas não de diazepam, alterou significativamente a atividade locomotora dos Ae. aegypti fêmeas. A saliva total de A. cajennense s.s. reduziu significativamente todos os quatro picos de maior atividade locomotora observadas nas primeiras horas após a inversão do ciclo claro para o ciclo escuro quando comparado com o grupo controle. Além disso, a saliva total de A. cajennense, mas não do diazepam, aumentou significativamente o número de hemócitos no 1º dia pós-tratamento quando comparado com o grupo controle. Assim, o conjunto inédito de resultados mostram que a saliva de carrapato A. cajennense s.s. reduz a atividade locomotora de mosquitos Ae. aegypti fêmeas, podendo este efeito ser parcialmente dependente da ativação do sistema imune do mosquito. Já a demonstração inédita da alta letalidade do diazepam e a ausência de efeito sobre a atividade locomotora e quantidade de hemócitos pode estar relacionado ao papel desempenhado pelos canais de cloreto ativados por GABA bem como sua distribuição no organismo do Ae. aegypti, o que precisa ser melhor elucidado. Por fim, apesar dos resultados promissores, experimentos futuros serão necessários para comprovar que a redução da atividade locomotora é efetiva em interferir na capacidade de mosquitos Ae. aegypti fêmeas em buscar o hospedeiro e transmitir doenças.
Descrição: Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em |Biologia Experimental (PGBIOEXP) da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) como requisito final para a obtenção do título de Mestre em Biologia Experimental. Orientador: Dr. Quintino Moura Dias. Co-orientadora: Dra. Maisa da Silva Araújo.
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2676
Aparece nas coleções:PGBIOEXP/PVH - Mestrado em Biologia Experimental (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao fabiano para gravacao CD.pdfDissertação2,45 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.