Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/290
Título: A tela amazônica de Milton Hatoum em órfãos do Eldorado: análise dos matizes de discurso
Autores: Franzin, Sergio Francisco Loss
Palavras-chave: Amazônia
História
Mito
Homem
Espaço
Data de publicação: 2012
Resumo: Esta pesquisa consiste num estudo a respeito da novela de um escritor contemporâneo. O objetivo geral é demonstrar, pelos matizes de discurso, qual é a Amazônia representada por Milton Hatoum na obra Órfãos do Eldorado (2008), em sua dimensão histórica, geográfica, sociológica, linguística e pluricultural. O trabalho é feito segundo os princípios e instrumentais da análise do discurso, numa concepção atual de abordagem, pela qual é possível utilizar-se, de forma subjacente, das ciências de apoio para a análise. Órfãos do Eldorado é uma novela cujos discursos são matizados fortemente pelo espaço, pessoas, ambientações e comportamentos. Há uma recorrente espacialização do homem e uma personificação do espaço. O tempo, a História, os mitos, a diversidade cultural, as ideologias, os sonhos, as concepções políticas e filosóficas são elementos de planificação da novela. Vivências, memórias e reminiscências consistem nas principais linhas narrativas, além dos dilemas dos protagonistas, especialmente quanto à identidade, suplantada por uma contraidentidade. Ficção e realidade não estabelecem domínios em separado. Fatos como o trabalho escravo no extrativismo do látex da seringueira, as duas Grandes Guerras e ainda os mitos amazônicos caracterizam o espaço local de uma forma intensiva e com fortes traços de demarcação do regional; somam-se a essas abordagens os comportamentos e vivências de personagens envolvidas em profundos dramas existenciais. Os discursos de modalização intensiva, as técnicas de construção e a matização do regional configuram Órfãos de Eldorado como uma obra que pinta uma tela amazônica grave, marcada por ideologias (o progresso econômico, a liberdade) e contravenções (a corrupção política, a afronta à condição do outro). A cidade, a floresta e o rio são elementos distintivos que promovem conjugação e contraste, conforme se experimentam as vivências de integração e exploração, respectivamente. O homem se espacializa na medida em que se estabelece como um elemento irredutível da conformação local, cuja identidade é de integração com o meio; e o espaço é personificado pelos costumes e outras formas de representação cultural, numa exuberante diversidade de raças, espécies, traçados e cores.
Descrição: Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Letras, da Universidade Federal de Rondônia, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Letras. Prof. Orientador: Dr. Júlio César Barreto Rocha
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/290
Aparece nas coleções:PPGL/PVH - Mestrado em Letras (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Franzin, Sérgio Francisco Loss.pdf965,35 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.