Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/954
Título: Diversidade de macrófitas na piscicultura Santa Helena
Autores: Costa, Daniela Lemes da
Palavras-chave: Piscicultura
Plantas aquáticas
Manejo
Rondônia
Data de publicação: 20-Jun-2014
Citação: COSTA, Daniela L. da. Diversidade de macrófitas na piscicultura Santa Helena.2014. 48 f. Monografia (Bacharelado em Engenharia de Pesca) - Fundação Universidade Federal de Rondônia, Presidente Médici, 2014.
Resumo: Macrófitas aquáticas são vegetais visíveis a olho nu, cujas partes fotossintetizantes ativas estão permanentemente, ou por diversos meses, todos os anos, total ou parcialmente submersas em água doce ou salobra, ou ainda flutuantes na mesma. Apesar da riqueza de macrófitas aquáticas na região norte do Brasil, em especial no estado de Rondônia, poucos estudos tem sido realizados com este grupo taxonômico. Desta forma, a pesquisa teve como objetivo realizar o levantamento das macrófitas aquáticas de ocorrência na Piscicultura Santa Helena e suas respectivas formas biológicas, relacionando-as com os períodos de seca e chuva. O levantamento foi realizado bimestralmente nas estações seca e chuvosa no período de agosto de 2013 a fevereiro de 2014. Os espécimes férteis foram coletados em triplicatas de forma aleatória abrangendo toda a comunidade ali existente. As amostras botânicas coletadas foram prensadas no local entre folhas de jornal e papelão e transportadas até o Laboratório de Ciências Ambientais no Campus de Presidente Médici onde foram mantidas em estufa a 50ºC para completa desidratação e posterior identificação taxonômica. Foram identificados 24 plantas em nível de espécie e duas em nível de gêneros, agrupadas em 13 famílias botânicas. As famílias que apresentaram maior riqueza de espécies foram: Cyperaceae com nove táxons, seguida da família Onagraceae com cinco espécies e Pteridaceae com duas espécies. A forma biológica mais comum foi o das emergentes com 16 espécies, seguidas pelas anfíbias com oito, flutuante livre com uma e também flutuante fixa com uma. O período chuvoso teve a maior diversidade com 21 espécies e 17 táxons no período de estiagem. Os gêneros mais encontrados Cyperus e Ludwigia apresentam estruturaras morfológicas reprodutivas e adaptativas, respectivamente, que faz com que consigam permanecer nos ambientes independente no nível pluviométrico, sendo considerada plantas invasoras e daninhas. O tipo de manejo empregado, juntamente com o pastejo e pisoteio do gado nos diques da piscicultura se mostrou como um agente selecionador e minimizador de variedades de espécies. A piscicultura Santa Helena apresenta estrutura físicas características da maior parte das pisciculturas do estado de Rondônia, que são de até 5 hectares de lamina dá agua, mão de obra familiar e cultivo semi-intensivo. Por outro lado, a produção varia muito entre as propriedades devido a vários fatores, incluindo a ampla variedade de composição dos solos no estado de Rondônia, o tipo de manejo, a qualidade e quantidade de ração e disponibilidade e qualidade da água. Os dados gerados com o estudo são de grande importância para a área de Engenharia de Pesca e para o conhecimento das macrófitas aquáticas, para que a partir do conhecimento deste grupo vegetal possa desenvolver planos de manejos e conservação de ambientes destinados a atividade de aquicultura na região.
Descrição: Monografia apresentada pela aluna Daniela Lemes da Costa ao Departamento de Engenharia de Pesca, Fundação Universidade Federal de Rondônia, Campus de Presidente Médici, como parte dos requisitos para obtenção do título em Engenharia de Pesca. Orientadora: M.ª Santina Rodrigues Santana
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/954
Aparece nas coleções:DEPESCA/PM. Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
COSTA, Daniela L. da.pdfCOSTA, Daniela L. da.2,26 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.