Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2089
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSousa, Lucinara Camargo Araújo-
dc.date.accessioned2018-03-16T18:09:17Z-
dc.date.available2018-03-16T18:09:17Z-
dc.date.issued2016-
dc.identifier.citationSOUZA, Lucinara Camargo Araújo. Biofertilizante de origem bovina: caracterização sanitária, química, física-química e a agronômica em cultura de alface. Dissertação de Mestrado - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PGDRA), Fundação Universidade Federal de Rondônia- UNIR, 77 f. Porto Velho, 2016pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2089-
dc.descriptionDissertação de Mestrado apresentada junto ao Programa de Pós- Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, Área de Concentração em Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável, para obtenção do Título de Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Orientador: Prof. Dr. Artur de Souza Moretpt_BR
dc.description.abstractO objetivo do presente trabalho foi caracterizar o biofertilizante à base de esterco bovino produzido em meio anaeróbico através de análises bacteriológicas, parasitológicas, químicas, física, físico-químicas com testes agronômicos na Alface tipo americana variedade Kaiser (Lactuca sativa L.). O biodigestor é um modelo elaborado pelo Grupo de Pesquisa em Energia Renovável Sustentável - GPERS. O experimento foi conduzido no município de Porto Velho, estado de Rondônia. Os resultados revelaram que o biodigestor apresentou fragilidade quanto ao tipo de vedação. O biofertilizante foi caracterizado como tendo baixa fertilidade quando comparado com biofertilizantes à base de lodo de esgoto. Já quando comparado à biofertilizantes também à base de esterco bovino, esta na média. Os parâmetros físicos e físico-químico também se encontram na média. Quanto à composição química de metais pesados, estão dentro padrões exigidos pela legislação vigente. Os tratamentos com 2,4 e 6 litros por m2 estimularam o desenvolvimento da Alface com relação à testemunha. No entanto não diferenciam estatisticamente entre si de forma drástica. Neste caso é recomendado o uso de doses maiores, desde que sejam testados especificamente para cada cultivo.pt_BR
dc.subjectAgricultura Familiarpt_BR
dc.subjectBiodigestor anaeróbicopt_BR
dc.subjectLectuca sativa Lpt_BR
dc.titleBiofertilizante de origem bovina: caracterização sanitária, química, física-química e a agronômica em cultura de alfacept_BR
Appears in Collections:PGDRA/PVH - Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO LUCINARA SOUZA.pdf24,52 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.